09 fevereiro 2007

As grávidas e o polícia

Acordo todos os dias com a Rádio Renascença. O meu despertador recusa-se a sintonizar convenientemente qualquer outra estação de rádio. E assim junta o acordar à RR. Uma tortura, portanto. Que estes tempos de campanham agravam substancialmente (tenho mesmo de arranjar um despertador novo).

Tudo isto para dizer que a RR me ensina a cada manhã que em cada grávida se esconde uma potencial homicida. O feto, pobrezinho, é uma vítima muda nas mãos de um carrasco que o odeia. Confesso que já estive grávida duas vezes e não percebi o risco que as minhas filhas corriam na minha companhia, dentro de mim. Que inconscientes foram o meu marido, os meus pais, os meus sogros, os meus amigos, os meus vizinhos e os polícias da esquadra da PSP mais próxima, que parecem também não ter percebido a homicida em mim.

Se o Não ganhar, com os argumentos agora usados em campanha, eu acho que a lei tem de mudar. Temos de ser mais vigilantes. Qualquer mulher com uma gravidez de risco que em algum momento não cumpra uma indicação médica e perca o filho deve ser obrigada a prestar serviço comunitário no hospital mais próximo. Qualquer mulher que fume, beba, ou tenha qualquer outro comportamento de risco durante a gravidez, deve passar a andar com orelhas de burro na cabeça. E qualquer suicida que tenha o azar de não ser bem sucedido deve passar o resto dos seus dias na cadeia. E mái nada! A vida humana tem de ser protegida pela força!

E não sei mesmo se devemos ficar por aqui. É certo que em cada ovo está já o ADN de um novo ser. Mas em cada óvulo e cada espermatozóide não está já a capacidade de criar um ovo? Os Monty Python é que têm razão: "every sperm is sacred"

1 comentário:

Henrique disse...

Hummm! Um despertador que só liga na RR?... Isso é muito suspeito. Não deixes as crianças ao pé disso.