01 fevereiro 2009

E?...

O Público publica o número total de entradas e bilhetes em instituições ou actividades culturais. São os números do INE, assim sem mais. Número estranhos, parece-me. Mas acima de tudo bastante inúteis e apresentados de forma errada; eu gostava de acreditar que quase toda a população portuguesa viu espectáculos ao vivo (9,8 milhões, diz a notícia), mas não consigo. Não só não acredito no número, como, e isto até o mais optimista percebe, número de bilhetes não é número de pessoas. A mesma pessoa pode ir ver mais do que um espectáculo, ou não?
O mais natural, dados outros estudos anteriores, é acreditar que uma minoria assiste a bastantes espectáculos e a maioria a nenhum. E portanto se pergunta, para que raio serve este amontoado de pseudo factos? E será que o INE não vai além disto, ou a imprensa não lê os documentos até ao fim?

Mas não acabam aqui os amontoados de factos; se juntarmos a esta notícia, e o que diz sobre a concentração de espectáculos em Lisboa, e uma outra notícia sobre as críticas do sector ao Ministro da Cultura, percebe-se porque razão o público ignorou completamente os alertas sobre as assimetrias regionais no investimento em criação, produção e programação artística?

Fico com a impressão de que a informação é substituída por amontoados de "factos", sem mais critério do que o espaço ou café do dia.

1 comentário:

vitorsilva disse...

não percebi se a principal fonte de imbirração foi a forma como os jornalistas normalmente "espectacularizam" as noticias ou se foi a definição dos indicadores do ine.

para arrumar já com a primeira questão até me parece que é uma noticia bem escrita pecando eventualmente por ser um bocado maçadora na quantidade de número que debita.

quanto à segunda questão parece-me que está a incorrer num erro. o ine não interpreta dados, divulga-os. claro que podemos dizer que o próprio acto de seleccionar os indicadores a estudar/acompanhar é uma forma de (eventualmente) viciar ou criar algum tipo de tendência em relação aos resultados que se vão obter mas também não me parece que é o caso

não pretendendo vestir a pele de defensor oficial do ine também tenho alguma estranheza quando leio "São os números do INE, assim sem mais. Número estranhos, parece-me." e eu pergunto porquê estranhos? são inventados? há outros dados sobre o mesmo tema substancialmente diferentes? são parciais? a única estranheza que eu tenho é ter que esperar um ano inteiro para obter este tipo de indicadores. um instrumento de gestão como isto poderia ser deveria estar disponível em pouco mais de 3 meses, eventualmente 6 de forma a perceber qual o tipo de ajustamentos necessários para o ano seguinte.

E quando diz "eu gostava de acreditar que quase toda a população portuguesa viu espectáculos ao vivo (9,8 milhões, diz a notícia), mas não consigo."... realmente talvez possamos dizer que o jornalista poderia ter evitado esta comparação fácil mas também acho que provavelmente toda a gente que se deu ao trabalho de ler essa noticia percebe que o facto de haver 9,8 milhões de espectadores não é o mesmo que dizer que 9,8 milhões de pessoas diferentes assistiram a espectáculos. Acho que compreende que conseguir determinar eficazmente a quantidade de pessoas diferentes que assiste a espectáculos não é uma coisa trivial... como determinamos se a mesma pessoa assistiu ao mesmo espectáculo? como determinamos se a mesma pessoa assistiu a espectáculos diferentes num determinado período? por amostragem? quais os pontos relevantes a nível geográfico para fazer essa amostragem? e a nível de tipo de espectáculo?

"para que raio serve este amontoado de pseudo factos? E será que o INE não vai além disto," porquê pseudo? e de facto o ine não vai para além disso tirando o facto de estes indicadores já serem publicados pelo menos desde 2002 e permitirem comparativamente ver coisas como:

espectaculos ao vivo nº sessoes
2007 27650
2006 24717
2005 24471
2004 23371
2003 15143
2002 15000

espectaculos ao vivo nºespectadores (milhoes)
2007 9,8
2006 8,8
2005 9
2004 7
2003 4,6
2002 4,3

espectaculos ao vivo nºbilhetes vendidos (milhoes)
2007 4,2
2006 4,1
2005 4
2004 2,6
2003 2,5
2002 2,2

para obter esta informação só tem que aceder ao site do ine www.ine.pt e na caixa de pesquisa escrever "dados da cultura"